EN

27-30.06.24




[organizador do festival]



O Instituto é um ponto de encontro de diversas formas de expressão cultural, situado no coração do Porto. Os interesses e percursos da equipa residente fundamentam um corpo de programação que parte do campo da arquitectura para as artes visuais e espaciais, pensamento crítico e cruzamentos disciplinares. Acreditamos que a interdisciplinaridade aliada à informalidade do espaço e a vontade de abordar temas ‘quentes’ da sociedade atual potenciam a criação e a pesquisa de novos discursos contemporâneos.

Desde 2021, o Instituto acolheu o desafio de organizar e reinventar o Arquiteturas Film Festival. Agora no Porto, o festival continua a consolidar-se como plataforma internacional para discutir e disseminar a produção arquitetónica através de filmes, exposições e debates.


→ aprender a desaprender
[tema do festival]




A arquitetura acolhe culturas e pessoas de todos os quadrantes da vida. No entanto, nem sempre considera questões prementes como a justiça social, a crise ecológica e a descolonização, em detrimento de um paradigma ocidental dominante na educação e prática da arquitetura. O Arquiteturas Film Festival 2024, que decorre de 27 a 30 de junho no Porto, procura desafiar esta hegemonia, refletindo sobre estes discursos enraizados na disciplina.


Nesta 11ª edição, convidamos o público para uma cativante viagem cinematográfica através das complexidades da produção do conhecimento arquitetónico e do seu impacto social. O programa oferece novas perspetivas sobre o papel da disciplina na formação do ambiente construído a partir de vários ângulos. Explora a forma como a arquitetura pode corajosamente reimaginar a representação convencional, questionando as práticas extractivistas e desmantelando as narrativas coloniais.



PROGRAMA

[realizadores convidados]



Estamos radiantes por anunciar Bêka & Lemoine como Realizadores Convidados do Arquiteturas Film Festival 2024.  Focando o seu interesse sobretudo no modo como o ambiente construído molda e influencia a vida quotidiana, Ila Bêka e Louise Lemoine têm desenvolvido uma abordagem única e pessoal, que pode ser definida, seguindo o autor francês Georges Perec, como uma "antropologia do ordinário". Apresentados pelo The New York Times como “figuras de culto do meio arquitetónico europeu”, o trabalho de Bêka & Lemoine tem sido amplamente aclamado como “uma nova forma de crítica” (Mark) que “mudou drasticamente o modo como vemos a arquitetura” (Domus).


[curadores convidados]



AFF recebe os Locument como Curadores Convidados desta 11ª edição!  Utilizando a arquitetura e o cinema como ferramentas analíticas, críticas e subversivas, este estúdio de investigação combina o cinema com a arquitetura e a investigação urbana. Mergulhando em histórias que reflectem sobre problemas que ressoam em todo o mundo, o seu trabalho centra-se na recriação do enredo complexo escondido sob a superfície do espetro visível.




programa experimental



Este eixo de programação reúne arquitetos, artistas e investigadores para refletir sobre os discursos enraizados na disciplina da arquitetura e dar voz a práticas que promovam a sua descolonização.

É através duma abordagem interdisciplinar que são produzidas leituras críticas sobre a história partilhada entre países colonizadores e países colonizados. Utilizando a cidade do Porto como cenário exploratório, convidamos o público a confrontar-se com perspetivas plurais sobre o papel que a arquitetura e as práticas espaciais podem ter nesse processo.

Este programa é complementado pela publicação do novo livro "Aprender a Desaprender", publicado pela Dafne, editado pelo arquiteto Paulo Moreira, contando com um conjunto de autores. O seu lançamento irá coincidir com o festival.


programa especial portugal



O Programa Especial Portugal traz o tema do festival, "Aprender a Desaprender", ao contexto do país anfitrião. Ao apresentar projetos em várias cidades, esta secção oferece uma plataforma para reavaliar o papel da arquitetura na sociedade portuguesa. Com enfoque em lugares particulares, procura-se aprofundar temas atuais, tais como a crise da habitação, bem como revisitar projetos de espaço público relacionados com o legado colonial do país. O programa de filmes é complementado por debates com autores, protagonistas e especialistas convidados.




organizador