Semana 14: 11 – 17 Setembro

A equipa do Arquiteturas acredita que esta pausa é uma ótima oportunidade para relembrar as últimas sete edições do festival e oferecer aos espetadores do mundo inteiro uma retrospetiva do festival com filmes gratuitos. Cada filme será lançado todas as sexta-feiras, até à data da edição no próximo ano, que decorrerá no cinema São Jorge de 1-6 Junho, e poderá ser visionado durante uma semana. Esta iniciativa visa proporcionar visibilidade aos filmes e aos realizadores e agradecer a sua contribuição para o início de muitas discussões necessárias iniciadas no festival através das histórias retratadas nos filmes. O festival convida todas as semanas, ao vivo no Instagram, os realizadores para uma conversa informal com a diretora do festival. Estas conversas serão anunciadas sempre que for possível serem realizadas, através das páginas do Instagram e do Facebook do festival.

STREAMING GRATUITO DISPONÍVEL ABAIXO de 11 a 17 DE SETEMBRO

LIVE INSTAGRAM COM RODRIGO AREIAS TBA (GMT+2)

1960 ARQUITETURAS’14 Rodrigo Areias, Portugal, 2014, 65′ 

1960 é um home-movie em registo de diário de viagem em super 8 mm.
Pretendendo através da arquitectura e a partir do “Diário de Bordo” de Fernando Távora revisitar a viagem que o Arquitecto concretizou em 1960.

 

SOBRE RODRIGO AREIAS

Rodrigo Areias começou os seus estudos em Gestão na Universidade Católica Portuguesa, licenciou-se em Som e Imagem na Escola das Artes com a especialização em Imagem. Fez também uma especialização em realização na Tisch School of Arts na Universidade de Nova Iorque e o programa de produção Eurodoc. Tem desenvolvido ao longo da sua carreira, trabalhos criativos na área de cinema de autor em ficção e documentário, alternando com outros trabalhos em domínios de video-arte e vídeo clips para alguns dos melhores nomes da cena rock Portuguesa (The Legendary Tiger Man, Wray Gunn, Mão Morta, Sean Riley, D3o, etc.) e diversos outros projectos. Como produtor começou a sua carreira em 2001 e desde então produziu e co-produziu mais de 70 curtas, longas, vídeos e documentários. Produziu autores de renome como Edgar Pêra, João Canijo e F. J. Ossang, bem como jovens realizadores como André Gil Mata, João Rodrigues e Jorge Quintela. Tem co-produzido com o Brasil, Reino Unido, França, Alemanha e Finlândia. Como realizador, entre vários filmes destaca-se Tebas (longa metragem) e Corrente (curta metragem) com os quais esteve representado em mais de cinquenta festivais internacionais e foi galardoado com uma dezena de prémios. A sua segunda longa metragem estreou em Competição Oficial no Festival Internacional de Karlovy Vary e foi galardoado com uma Mensão Especial. Foi responsável pela produção de cinema de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura onde se incluem filmes de realizadores como Jean-Luc Godard, Aki Kaurismaki, Peter Greenaway, Manoel de Oliveira, Pedro Costa e Victor Erice.

Nota de intenções

Neste filme, a minha ideia foi partir das notas e desenhos de Fernando Távora e revisitar vários dos locais que o arquitecto visitou, descreveu e desenhou durante a sua viagem em 1960. E pensar a arquitectura num contexto global.
Quando pensei este filme, pensei-o como complemento de um outro filme de ficção que integrasse o documentário em super 8mm. Será um Film Noir, rodado apenas em decores de Fernando Távora em Guimarães, onde um documentarista que está a fazer um documentário em super 8 mm sobre o arquitecto é assassinado…
Enquanto este filme continua a ser adiado (dada a azáfama de produção a que estivemos sujeitos), fica assim concluída a parte documental deste díptico.
Aquilo que me inspirou para este documentário, foram os textos que conhecia do Diário de Bordo que Fernando Távora escreveu durante a sua viagem. O texto que mais me marcou, foi o da sua visita a Taliesin, a paixão com que escreve essa experiência que o próprio assume como transcendental. Quis dar vida a esses textos, mas pretendendo nunca ser óbvio ou ilustrativo. Antes revisitá-los com a devida distância temporal.