Petra Noordkamp

A artista holandesa Petra Noordkamp (1967) move-se com fluidez entre fotografia e cinema. Ela explora a influência de experiências, memórias, filmes e sonhos na percepção da arquitetura e do ambiente urbano. Ela vive e trabalha em Amsterdão, onde estudou fotografia na Gerrit Rietveld Academie. Ela realizou a sua primeira curta-metragem The Mother, the Son and the Architect em 2012. Este filme foi exibido numa exposição do seu trabalho no museu de fotografia Foam em Amsterdão e foi selecionado para vários festivais e exposições internacionais. Ela foi artista residente na Academia Americana em Roma no outono de 2013. Em 2014, a Fundação Solomon R. Guggenheim, em Nova York, comissionou-lhe uma curta-metragem sobre Il Grande Cretto di Gibellina, uma obra de arte do artista italiano Alberto Burri, que foi exibido no Guggenheim durante a retrospectiva de Burri no outono de 2015. Em 2016, este filme também foi exibido no K21 em Dusseldorf, no MAXXI em Roma e no Centre Pompidou em Paris. Seu filme When you return I’ll be living by the waterside estreou no Festival Internacional de Cinema de Roterdão em janeiro de 2018 e ganhou o prêmio Move Cine Arch em Veneza. O seu mais recente projeto Fragile – Handle with Care sobre os terremotos de 2016 na região italiana de Marche, foi comissariado pelo museu MAXXI e será exibido de maio a setembro deste ano.

Alvaro Domingues

Alvaro Domingues é Geógrafo, doutorado em Geografia Humana pela FLUP e Professor Associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP) nos cursos de mestrado integrado e doutoramento. Membro do Conselho Científico desde 2012. Investigador do CEAU-FAUP (Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da FAUP. É Professor do Mestrado “Projecto do Ambiente Urbano” (FAUP/FEUP) e do doutoramento Arquitetura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos, do ISCTE. Lecciona também nas Faculdades de Arquitectura da Universidades de Lisboa, Coimbra e Minho.

Foi colaborador da Porto 2001; Capital Europeia da Cultura, 1999-2000; Professor dos Cursos de Verão da Fundação de Serralves (2005-2008); Professor Convidado da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006) e da Universidade de Granada (2005).

Como investigador do CEAU-FAUP, tem desenvolvido uma actividade regular de investigação com entidades como a Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Ciência e Tecnologia; CCDR-N e CCDRN-C; Junta da Galiza; Erasmus University of Rotterdam-EURICUR; CCCB, Barcelona; École Polytechnique Fédérale de Lausanne; Universidades Federal de S. Paulo e do Rio de Janeiro, bem como com os municípios de Guimarães e Porto, entre muitas outras.

Conferencista, colunista do Público, escreve no jornal electrónico Correio do Porto, no ArchDailly e no Jornal da Universidade do Porto, entre outros.

Ana Tostoes

Ana Tostões, arquiteta, crítica de arquitetura e historiadora, é presidente da Docomomo International e editora do Docomomo Journal. É Professora Catedrática do Técnico, Universidade de Lisboa, onde leciona Teoria da Arquitetura e História Crítica, e coordena o grupo de pesquisa Cultura Arquitetónica. Desde 2012, ela é responsável pelo programa de doutorado em arquitetura. Ela foi professora convidada em universidades em todo o mundo.

O seu campo de pesquisa é a História Crítica e a Teoria da Arquitetura Contemporânea, enfocando a relação entre as culturas européia, asiática, africana e americana. Sobre este tema, ela publicou livros e ensaios, curadoria de exposições e organizou eventos científicos. Também coordenou projetos de pesquisa, orientou teses de doutorado e mestrado, participou de júris e comitês e ministrou palestras em todo o mundo. Ela coordenou o projeto de pesquisa Exchanging World Visions focado na arquitetura africana subsaariana durante o período do Movimento Moderno, que foi publicado e premiado com o Prêmio Gulbenkian APH 2014. Ela atualmente coordena o projeto de pesquisa “CuCa_RE: Cure and Care_the reabilitação”. Tostões foi vice-presidente da Câmara Portuguesa de Arquitectos e da secção portuguesa da Associação Internacional de Críticos de Arte. Em 2006, a sua Excelência a Presidente da República Portuguesa fez dela uma Comandante da Ordem do Infante Dom Henrique pelo seu trabalho em prol da arquitectura portuguesa e da sua promoção em Portugal e no estrangeiro.

Gerrit Messiaen

Gerrit Messiaen estudou Ciências da Comunicação na Universidade de Ghent. Depois de ser aprendiz como guionista do departamento de ficção televisiva da VRT, trabalhou dois anos como produtor de Frans Buyens e Lydia Chagoll. Em 1996, dirigiu “A Journey with Paul Cox”, um retrato documentário do cineasta australiano Paul Cox foi distribuído pela Films Transit (Montreal) e pela New Video (Nova York). O filme foi convidado para vários festivais internacionais de cinema (Sydney, Brisbane, Istambul, Utrecht, Bruxelas, Lisboa, Dublin). Em 1998, Gerrit Messiaen realizou com Peter Krüger um pequeno documentário “The dance of Roberte”, para a noite especial da ARTE “Saturday night in Europe”. “Until my last Breath”, um retrato documentário do realizador belga Frans Buyens, ganhou um prémio pelo melhor documentário belga no Film Festival de Bruxelas 2000 (prémio Henri Storck). A primeira longa-metragem de Gerrit Messiaen, “Hide and seek”, foi selecionado para o Ghent Film Festival (2002) e ganhou o prêmio de “Melhor Filme Europeu” no festival internacional de cinema em Siena (Itália) em 2003. “Lucien Hervé, fotógrafo apesar de si mesmo ”(2013) é um filme sobre a essência do trabalho e da vida de um dos mais importantes fotógrafos de arquitetura do século 20. O filme ganhou o prêmio de melhor documentário na primeira edição da Arquiteturas. O seu filme mais recente é sobre o pioneiro da fotografia a cores e membro da agência Magnum, Harry Gruyaert.

Tiago Oliveira

Tiago Cardoso de Oliveira é arquitecto, professor universitário e investigador em arquitectura.

Licenciado em Arquitectura pela Universidade Técnica de Lisboa em 1988, obtém o grau de Mestre pela mesma universidade na área de História e Teoria da Arquitectura em 1998 e o grau de Suficiencia Investigadora na área de Proyectos Arquitectónicos pela Universidad de Valladolid em 2003. Em 2015 obtém o grau de Doutor na especialidade de Teoria e Prática do Projecto pela Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa.No início da carreira colaborou em ateliers de arquitectos de referência como Manuel Tainha (1988/89 e 1991/92) e Vítor Figueiredo (1992), e começou a sua actividade como projectista em profissão liberal em 1990. Tem obra construída, alguma dela publicada ou exposta no âmbito nacional e internacional.

Ao longo da carreira leccionou em várias universidades, principalmente nas áreas de Projecto e de Teoria e História da Arquitectura. Tem também participado em conferências no contexto universitário e publicado artigos em livros e revistas da especialidade.

Actualmente é professor auxiliar convidado no Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior, Investigador efectivo no Centro de Estudos Arnaldo Araújo e vogal do Concelho Regional Sul da Ordem dos Arquitectos para o triénio de 2017-2019.

Isabel Barbas

Desenvolve um trabalho multifacetado nas áreas de pintura, desenho, arte leve, arte urbana, instalação, design e arquitetura. Em 2004 fundou o estúdio em Madrid realizando numerosas instalações no espaço público. Em 2008 regressou a Lisboa e fundou o MAGstudio (Material, Atmosfera e Gravidade), realizando projectos artísticos e de design resultantes do cruzamento de várias estratégias artísticas. Concentrando-se no espaço público, investiga questões relacionadas à participação, memória e cidadania através de instalações espaciais efêmeras e instalações de luz que recuperam os diferentes sentidos da percepção do público.

Nos últimos anos, as obras artísticas (pinturas, desenhos e objetos) investigam o que poderíamos chamar de sistemas de percepções. Isabel tem vários trabalhos premiados em concursos e apresentados em conferências, exposições e publicações nacionais e internacionais. Desde 2010, tem desenvolvido cargos de ensino na Escola Superior de Comunicação, Arquitetura, Artes e Tecnologia da Informação da Universidade Lusófona, em Lisboa, e realizou workshops internacionais e nacionais.