O que liga as cidades de Doel (Bélgica), Colma (Califórnia, EUA) e Genebra (Suíça), cenários dos filmes desta sessão? As cidades parecem o mesmo lugar ermo, onde ninguém de fato gostava de morar, lugares abandonados ou habitados por poucas pessoas. Colma tem cerca de 1000 habitantes, enquanto Doel, não mais de 25. Os filmes emolduram vidas isoladas, distantes da agitação dos grandes centros urbanos, mas não necessariamente vividas em abandono.

 

O interior das casas de Doel, a pequena cidade próxima de Antuérpia, parece mais acolhedor que as ruas vazias. No seu interior há vida, as pessoas resistem e têm existências calmas, apesar da demolição anunciada das casas para a expansão do porto de Antuérpia. Os que saíram relatam que eram felizes, porque conheciam todos os que lá moravam; os poucos que restaram estão convictos de que não poderiam morar noutro lugar. Apesar do isolamento e do estado precário da cidade, parece haver nos habitantes de Doel um sentimento de pertença ao lugar.

 

O mesmo sentimento também é explorado em 6129 m2. Pai e filha procuram, nos arredores de Genebra, a casa ideal, desejada, projetada e pensada a partir de fragmentos de outras casas visitadas, mas jamais construída. O filme aborda o fato de que a casa real que se tem pode nunca vir a ser a que se sonha, porém, ainda assim, pode ser um lar.  

 

Notes on Living é sobre a cidade-cemitério de Colma, nos EUA, criada para os mortos indesejados de São Francisco. A curta experimental mostra uma cidade onde a quantidade de sepulturas supera em muito a densidade populacional, lugar onde a vida e a morte parecem sobrepor-se harmonicamente no mesmo espaço.

 

 

Notes on Living

Inês Pedrosa e Melo
Portugal, 2018 4’
Competição Novos Talentos 

 

6129 m²

Julie Bellard
Suíça, 2017, 24’
Competição Documentário

Estreia Portuguesa

 

Doel

Frederik Sølberg
Dinamarca, 2018, 66’
Competição Documentário

Estreia Portuguesa