A crise habitacional nas grandes cidades tem origem na hipervalorização dos territórios urbanos e a consequente expulsão das suas comunidades locais. O fenómeno tem assumido desdobramentos tão surpreendentes que o termo gentrificação parece ter perdido a sua capacidade de traduzi-lo. Morar dignamente deixa de ser um direito humano na medida em que se perde espaço para a comoditização do habitar. Com a classe média a deixar de conseguir comprar casa nas cidades, desencadeia-se uma tendência mundial de êxodo urbano. Para onde vão essas pessoas? Que novas vidas constroem? Que novas formas de morar inventam?

Chasing houses ajuda-nos a (re)pensar a casa fixa, imóvel, como a tipologia fundamental do habitar. Com o fim da linha do sonho americano, fundamentado na casa própria de subúrbio, distante dos centros urbanos conturbados, a vida na estrada passa a ser uma alternativa. Tendo em vista a paisagem natural do oeste americano, a mobilidade, a flexibilidade e o despojamento das casas servem de crítica aos mecanismos de criação de valor imobiliário à volta do habitar fixo. Mais do que isso, o filme mostra como o Homem, ao alterar criativamente os meios disponíveis, reinventa outros sentidos de comunidade e de laços de pertença.

 

A curta de ficção portuguesa Lá vem o dia (Portugal, 2018) lança um olhar subjetivo sobre como se vive dentro de uma “casa alternativa”. A casa é uma personagem silenciosa do filme, um exemplo do que melhor se pode pensar em termos de habitar contemporâneo: funcionalmente racional, articulada, compacta e económica, construída com material climaticamente sustentável. Pois, se a casa parece ideal em tempos de crise do habitar urbano, por que o jovem casal não se encontra dentro desta? O filme trata da convivência humana e do papel que os ambientes construídos têm no (des)encontro entre as pessoas.  

 

 

Chasing Houses

Justin Time
Alemanha, 2017, 60’
Competição Novos Talentos
Estreia Portuguesa

 

 

Lá vem o Dia (Here Comes the Day)

Mercês Tomaz Gomes
Portugal, 2018, 20’
Competição Ficção